Sem salário do mês e o 13ª, terceirizados nas escolas públicas continuam em greve

postado em: Notícias | 0

Por Imprensa Sindiserviços-DF – Robson Oliveira Silva

 

 

Parte dos quase 6 mil trabalhadores terceirizados na limpeza, conservação e merenda nas escolas públicas do Distrito Federal (DF) continuam sem o salário de janeiro, o 13º salário e em greve.

 

Sem salário estão cerca de 1.500 empregados da Empresa Servegel e quase 900 empregados da Real JG na limpeza e conservação da rede pública de ensino do DF.

 

Ainda não receberam o 13º salário, 3 mil empregados da Empresa Juiz de Fora, na limpeza das escolas. Também estão sem o beneficio cerca de 800 trabalhadores na merenda escolar e que são empregados da Empresa G & E Serviços. As empresas deveriam ter pago o 13º no dia 19 de dezembro do ano passado.

 

A Secretaria de Estado da Educação do Distrito Federal (SEE/DF) informou para os diretores do Sindiserviços-DF, sindicato que representa os trabalhadores terceirizados no DF, que estará quitando todas as dívidas que tem com as empresas prestadoras de serviços até o dia 22 deste mês.

 

Também esclareceu que a verba repassada será para as empresas pagarem seus empregados.

 

É o que espera o diretor de Comunicação e Imprensa do Sindiserviços-DF, Antonio de Pádua Lemos, que ressaltou a angustia e o sofrimento que os trabalhadores estão passando há mais de dois anos, devido os constantes atrasos nos salários e benéficos.

 

Pádua explicou que muitos dos terceirizados na limpeza e merenda escolar no DF estão totalmente endividados e sendo despejados. Além de vários já não terem o que comer em suas casas ou como alimentar os seus familiares.

 

Ele exaltou que a categoria está indignada e revoltada com a forma desumana por que são tratados pelas empresas contratadas pelo Governo do Distrito Federal (GDF).  

 

O dirigente sindical destacou que a direção do Sindiserviços-DF já formulou diversas denuncias, participou de inúmeras audiências públicas e reuniões no Ministério Publico do Trabalho (MPT) e na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE/DF), juntamente com os patrões e o GDF, no que se comprometeram em regularizar a situação.

 

Diante de tanta inconstância quanto à pontualidade no pagamento dos trabalhadores, Antonio de Pádua informou que a direção do Sindiserviços-DF ingressou com Ação na Justiça do Trabalho, no que aguarda a regularização e pontualidade no pagamento dos salários e benéficos da categoria.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez + 15 =