Greve na limpeza das escolas públicas continua por falta de pagamento dos terceirizados

postado em: Notícias | 0

Por Imprensa Sindiserviços-DF – Robson Oliveira Silva

            É extremamente preocupante e desoladora a situação financeira dos quase três mil pais e mães de família que são empregados da Empresa Juiz de Fora nos serviços de limpeza e conservação das escolas públicas de São Sebastião, Sobradinho, Paranoá, Planaltina, Gama, Santa Maria, Riacho Fundo I e II, Recanto das Emas, Cidade Estrutural, Guará e Plano Piloto.

 

Segundo a direção do Sindiserviços-DF, sindicato que representa os trabalhadores terceirizados no DF, a categoria está em greve desde a última quarta-feira (09) e exigem o imediato recebimento do salário do mês e dois meses e meio de tíquete alimentação.

 

Já quase mil empregados da Empresa Servegel, também nos serviços de limpeza e conservação da Rede Pública de Ensino do DF, estão sem o salário e do tíquete alimentação do mês. Os trabalhadores vão decidir na segunda-feira (14) se vão aderir ao movimento paredista.

 

Para garantir o pagamento dos trabalhadores terceirizados e os vigilantes, o deputado distrital Chico Vigilante (PT/DF), interviu junto ao governador Rodrigo Rollemberg (PSB/DF) e conseguiu a liberação de uma linha de crédito especial do Banco Regional de Brasília (BRB) no valor de R$ 50 milhões e que são destinados exclusivamente para as empresas prestadoras de serviços na limpeza, conservação, merenda escolar e vigilância nas secretarias de Educação e Saúde, pagarem os seus empregados.

 

A Juiz de Fora, alegando tramites burocráticos para a liberação do financiamento, disse que pagará os seus empregados nos próximos dias 15 e 16, terça e quarta-feira, respectivamente.

 

Enquanto que a Servegel, não apresentou nenhuma previsão de pagamento da sua divida trabalhista com os seus empregados.

 

A direção do sindicato ressalta que a situação já é recorrente há mais de dois anos, tendo denunciado e participado de inúmeras audiências públicas com os representantes do GDF e os donos das empresas no Ministério Publico do Trabalho (MPT) e na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE/DF), sem que os trabalhadores tenham uma solução que possam regularizar os seus vencimentos.

 

Também tramita na Justiça Ação Coletiva cobrando os prejuízos que os trabalhadores sofrem com os rotineiros atrasos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × três =