DESTAQUES

26/02/2019

image_pdfPDF

Vitimação chega a 27,4% e faz das jovens negras as principais vítimas do machismo da sociedade, de acordo com dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública

(Rede Brasil Atual, 26/02/2019 – acesse no site de origem)

Cerca de 16 milhões de mulheres, acima de 16 anos, foram vítimas de algum tipo de violência nos últimos doze meses. Uma vitimização que chega à taxa de 27,4%, de acordo com dados da pesquisa “Visível e Invisível: A vitimização de mulheres no Brasil” divulgada na terça-feira (26) pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

 

São muitos os dados de violência e assédio contra a mulher que refletem a desigualdade de gênero na sociedade, como avalia a consultora de projetos do Fórum, Cristiane Neme, em entrevista à Rádio Brasil Atual.

 

De acordo com a pesquisa, a casa ainda é o principal local de agressão, mas a internet já registra 8% de casos de violência que fazem das mulheres entre 16 e 24 anos as principais vítimas (42,6%), sobretudo entre as que se autodeclaram negras (28,4%). No levantamento em 2017, redes sociais, aplicativos e blogs eram somente 1% entre os locais onde as vítimas informam ter sofrido violência. Além disso, o relatório mostra que 59% dos entrevistados, homens e mulheres, disseram ter presenciado ações de agressão.

 

“As relações de poder conflituosa resultam em casos de violência como esses que são reportados na pesquisa, que é um reflexo dessa cultura machista e patriarcal, por isso a permanência e o padrão da violência”, explica Cristiane, que defende como política de enfrentamento o fortalecimento da rede de proteção às vítimas.

 

https://agenciapatriciagalvao.org.br/destaques/no-ultimo-ano-16-milhoes-de-mulheres-sofreram-algum-tipo-de-violencia/?utm_term=No+ultimo+ano%2C+16+milhoes+de+mulheres+sofreram+algum+tipo+de+violencia&utm_campaign=Contatos+Geral&utm_source=e-goi&utm_medium=email