Por Imprensa Sindiserviços-DF – Robson Silva

Fotos: Guina Ferraz 

Após superar pressões patronais com a imposição da famigerada Reforma Trabalhista (lei № 13.467/2017), na mesa de negociação da data-base 2019, a direção do Sindiservicos-DF apresentou a contraproposta dos patrões para os trabalhadores terceirizados reunidos em Assembleia Geral de Data-Base, realizada no final da tarde desta quinta-feira 27, no estacionamento do Teatro Nacional, que aprovaram por ampla maioria o reajuste salarial de 3,7%, passando o menor salário base da categoria para R$ 1.198,87 e aumento no tíquete alimentação de 4,8%, o que eleva o valor de R$ 31,50 para R$ 33,00 por dia trabalhado.

Ambos os reajustes, os planos de saúde ambulatorial e odontológico que continuarão gratuitos, juntamente com várias outras clausulas, vão compor a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) 2019, que passará a vigorar a partir de 1º de janeiro.

Já o plano de saúde hospitalar (completo), que conta com a coparticipação do trabalhador, será extensivo aos seus dependentes legais, conforme determina as normas da Agencia Nacional de Saúde (ANS).

 

No caso da sucessão dos contratos de prestação de serviços nos órgãos públicos, a empresa só poderá realocar o trabalhador que tiver quatro anos de vinculo empregatício, mediante concordância previa escrita pelo trabalhador, o que lhe garantirá a estabilidade no emprego por 180 (cento e oitenta) dias.

Após as assinaturas dos sindicatos laboral e patronal, a Convenção Coletiva de Trabalho será encaminhada para a publicação no Sistema Mediador do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e estará disponível no site http://www.sindiservico.org.br/paginas/convencoes